Category Archives: Palavras

Triste e revoltada.

Mais uma morte.Desta vez no nosso cantinho à beira-mar plantado. Não foi nos EUA. Foi em Portugal. Não consigo perceber o que leva alguém a matar a sangue frio uma pessoa que estava em paz a passear o seu animal de estimação. Não consigo! Sinto-me impotente por continuar a existir racismo. E pior, continuarem a existir pessoas que lhe dão voz…:(

Espero muito sinceramente que este ser desumano apodreça na prisão nos últimos dias que lhe restam, se ainda houver um pingo de justiça! Se tal não acontecer, revoltem-se! Façam como fizeram nos EUA com o George Floyd!

View this post on Instagram

Como? A sério, como? Deixa-me genuinamente intrigado como o conseguem fazer. O Bruno Candé foi assassinado com 4 tiros por ser negro. O Bruno Candé foi morto pela cor da sua pele e deixa 3 filhos de 3, 5 e 6 anos. E ainda assim, há milhares de comentários a desvalorizar a violência racista, milhares de pessoas brancas cujo patético orgulho é tão grande que não conseguem assumir que Portugal é estruturalmente racista. É racista quando faz sons de macaco ao Marega, é racista quando impede ou dificulta as pessoas racializadas de alugar casa, ter acesso ao ensino, aceder a determinadas oportunidades de trabalho. É racista quando alguns programas da manhã continuam a ter comentadores como a Suzana Garcia que chama "escumalha" aos negros. É racista quando um deputado manda uma deputada negra para a terra dela. É racista a cada piada racista que partilham nos grupos de whatsapp. É racista quando a polícia diz sobre o caso que parece ser um "crime passional". Mas que paixão foda-se? É racista de cada vez que os políticos desvalorizam o racismo. É racista sempre que dizem que temos de ser moderados e tentar ver o outro lado. É racista de cada vez que alguém diz que o racismo em Portugal não é sistémico. E tudo isso, e muito mais, é o que legitima a violência racista, é o que alimenta o ódio. Tudo isto foi o que matou o Bruno Candé, foi o que fez com que das últimas coisas que tenha ouvido em vida foi "preto, volta para a tua terra". A sério, como é que conseguem?

A post shared by Diogo Faro (@diogofaroidiota) on

About Matilde Ferreira

Storyteller Dices d’As Gavetas| Mummy Sunglasses

-Louis, onde estão os meus óculos? – perguntei num tom apressado, pois ja estávamos atrasados para ir para a escola.

O Louis apareceu com as mãos na carita dizendo:

-Mummy, I can’t see it! (Mami, eu não vejo!)- respondeu ele, com uma carinha triste.

-Oh come on, Louis, we are going to be late to school (Oh anda lá, Louis, assim vamos chegar à escola.) – disse eu.

De repente o Louis olhou para mim e começou a rir muito, com aquelas gargalhadas tão características dele, que fazem bem à alma.

Eu fiquei a olhar para ele perplexa e perguntei:

-O que se passa?

-Mummy, your sunglasses are here (ele chama sunglasses aos meu óculos normais) 🙂 – e apontou para a minha cara 😀

Foi então que levei as mãos à cara e constatei que realmente tinha os óculos postos.

Desatei a rir às gargalhadas, juntamente com o Louis que entretanto tinha ido buscar os seus “pretending glasses” (óculos de fazer de conta) 😀 😀 😀

-Today I’m going to wear my “sunglasses” to go to school 😀 (Hoje vou levar os meus óculos para a escola!)- disse ele todo contente e determinado. 🙂

Este desafio foi criado pelo blog As Gavetas da Minha Casa Encantada.

About Matilde Ferreira

Vida.

Pedro Lima. 49 anos. 5 filhos. Actor cheio de vida e de talento. Queria casar em 2021, aos 50 anos, com a sua mulher, sua companheira há 19 anos, completavam 20 anos também em 2021.

Ninguém quer morrer, pois a morte não é a solução. Pedro estava desesperado e deixou-se levar por esse desespero, e acredito que no ultimo momento se tenha arrependido mas ja foi tarde demais. Eu tive mais sorte. Há 21 anos quando lutava contra uma depressão grave, uma noite enquanto todos dormiam na casa, levantei-me a arrastar-me, fraca, pois não comia há vários dias e dirigi-me à cozinha, abri a gaveta das facas, peguei numa e fiquei a olhar para ela. Num impulso, empunhei-a na minha direção, decidida a acabar com o meu sofrimento que ja durava ha meses, com as minhas frustrações, com a minha impotência de não conseguir fazer nada… Estive quase para fazer o maior disparate da minha vida até que vi tudo escuro.

Acordei passado uma eternidade, deitada no chão frio da cozinha, com a faca ao meu lado. Confusa. Como é que não me dói nada? Apenas me doía a cabeça por ter desmaiado e ter batido com ela no chão.

Aquela noite foi um abre-olhos para mim. Algo tinha de mudar, a começar por mim. Na manha seguinte sem contar o que se tinha passado à minha mãe, disse-lhe que queria ir ao cabeleireiro para arrebitar e sair do transe em que me encontrava. Comecei a minha luta pela procura de emprego e em 2 meses estava a trabalhar como caixa no supermercado Modelo Bonjour da Avenida da Republica em Gaia, e desde aí nunca mais parei ate começar os tratamentos para ter o Louis. Sinto que a Depressão, não se foi embora, anda aqui meia camuflada, mas sei que tenho ser mais forte do que ela vivendo um dia de cada vez.

Consta-se segundo um primo do actor que este tinha desabafado que a TVI andava a pensar em despedi-lo… 🙁

About Matilde Ferreira

No dia em que fugi…

…a sete pés de uma igreja evangélica. Corria o ano de 1997, salvo erro. Eu tinha acabado de deixar de ir à missa na igreja católica, logo após de fazer o crisma, contrariada. Ate que uma amiga minha da escola me “convidou” a ir à igreja dela, uma igreja evangélica em Espinho. Fui algumas vezes, ate que num domingo de “culto” fiquei muito constrangida e chocada por ver o pastor “exorcizar” as pessoas e estas cairem prostradas aos seus pés. Na altura achei aquilo muito estranho e assustador e fugi dali o mais rápido possível, so parando na praia, à beira-mar, onde realmente eu me sentia bem. Nunca mais voltei aquele lugar, e sinto-me mesmo bem com isso. Fiquei aliviada. So tenho pena que essa minha ex-colega de escola, tenho convertido, anos mais tarde, a minha melhor amiga da altura (uma das melhores pessoas que eu conheci na vida) e tenha feito com que ela tenha casado com um cigano da dita igreja que a trata mal, nao a deixa conviver com a familia dela e a obriga a trabalhar numa conhecida confeitaria da cidade… mas isso são contos de outro rosario. 🙁

Para mim, Deus é a Natureza e o Universo, e para vocês? 🙂

Imagem retirada do Google

About Matilde Ferreira

Storyteller Dices D’As Gavetas| O Telefone

Tenho uma relação complicada com o telefone. Foi o meu principal material de trabalho da ultima década. Talvez por ter falado tantas horas ao telefone agora não goste de o fazer. Prefiro escrever, enviar mensagens. Pelo menos fica tudo registado. Enquanto que por voz, é tudo momentâneo. Agora que me lembro, ja nos empregos quando queria que algo ficasse provado, preferia enviar um email. Assim não existiam margens para duvidas.

Mas dou por mim a ter saudades de falar ao telefone com os clientes. E acreditem que eu adorava conversar com eles. É um sentimento contraditório, eu sei. Mas tenho muitas saudades daquelas conversas. O simples gesto de pegar no telefone e animar o dia de outras pessoas não tem preço. Sentir que animamos o dia de outras pessoas é mesmo muito bom. Mesmo que, no meu caso so estivéssemos a vender aço inox ou ligas especiais, ou a prestar informações sobre fiscalização de gêneros alimentícios. 🙂

O mais incrível é quem vivemos numa era em que é raro usar a principal função do telefone: fazer chamadas. As vezes faz bem fazermos uma chamada. A minha mãe adora que eu lhe ligue e eu adoro falar com ela. A distancia pesa. Mas estes telefonemas ajudam bastante.

As vezes, apesar de estarmos rodeados de pessoas virtualmente, o que nos precisamos mesmo é de alguém que nos ligue a perguntar se estamos bem 🙂

Um simples telefonema pode salvar uma vida, quando pensarem em alguém liguem-lhe, vocês não imaginam o quanto esse gesto pode ajudar essa pessoa 😉 Este pensamento veio de encontro à campanha Setembro Amarelo – mês da prevenção contra o suicídio.

Falar faz bem, alivia a alma! Por muito que não gostemos de falar ao telefone 😉 Eu aprendi a deitar ca para fora aos meus 20 anos depois da minha depressão e foi a melhor coisa que fiz 🙂 Nem que seja para o papel 😉 Escrever alivia tanto 🙂

Imagem da minha autoria

E vocês, gostam de falar ao telefone? 🙂

Aproveitem o dia de hoje para ligarem a quem vocês acham que precisa 😉

About Matilde Ferreira