Category Archives: Memories

Modo Vá Para Fora Cá Dentro

Cornualha. Um pequeno grande paraíso no sul de Inglaterra. Fomos de mini-ferias e ja temos saudades do nosso cantinho à beira-mar plantado. Azul-Verde-Mar. Paisagens relaxantes e de prender a respiração. Estávamos mesmo a precisar disto. 🙂 4 dias de mini-ferias e de retiro.

Ficamos numa casa de turismo rural, os chamados lodges como se diz aqui, numa pequena localidade chamada Bude em Kilkhampton . Cada vez mais prefiro ficar numa casa do que num hotel. É mais intimo e pessoal, ao contrario dos hotéis. E fez-nos tão bem que ate o potty training do Louis funcionou às mil maravilhas. Tivemos a sorte de ser um sitio pet friendly e assim podemos levar o nosso Ginger connosco que também se portou lindamente. 🙂 Sentido-nos em casa 🙂

Marhamchurch – Widemouth Bay

Que rica prainha. Mesmo com tempo encoberto soube mesmo bem caminhar na areia molhada e sentir o cheiro da maresia. E o Louis mais uma vez adorou brincar com as pedrinhas e conchinhas.

Uma vista de cortar a respiração, que dá vontade de ficar aqui para sempre 🙂

Forrabury and Minster Slaughter Bridge

De seguida rumamos ao sitio da Lenda do Rei Artur. Quem não conhece a famosa historia da espada Excalibur? O Louis sentiu-se um rei no pequeno parque de diversões existente no recinto Arthurian Centre. Fizemos uma pequena caminhada ate chegarmos à famosa pedra e soube mesmo sentir o sossego e a paz da Mae Natureza. É um sitio lindo e muito relaxante onde podemos ouvir as aguas do Rio Camel e desfrutar dos jardins da Lady Charlotte Falmouth.

KIng’s Arthur Stone

No sábado fomos a Bodmin onde visitamos a maior igreja da Cornualha, St Petroc’s Church. Almoçamos no centro da cidade e depois fomos dar uma volta a um parque, onde o Louis fez amizade com um esquilo a quem deu o resto da sua maça, e depois disso voltamos ao local onde fomos felizes e eu ja vos aqui neste post.

Sobre o sitio mágico do Museum of Witchcraft and Magic onde o Louis se deliciou com os saborosos gelados da Cornualha, e nós, os crescidos também 🙂 O que mais me fascinou foi a forma como as pessoas se deixam levar ate à pitoresca vila de Boscastle e voltar sempre. Se eu pudesse mudava-me hoje mesmo para este sitio que chama por mim de forma tão natural. Quem disse que as bruxas são más? Eu própria sinto-me meia bruxa, às vezes. Se não quase sempre 😀 O medo do desconhecido não me assiste. 🙂 Adoro tudo o que esteja relacionado com com o mundo da magia. Acho que se tivesse vivido na Idade Media tinha sido queimada na fogueira, se calhar ate fui para quem acredite em reencarnação 🙂

Pelo meio consolamo-nos com as tradicionais pasties, os típicos pasteis de massa quebrada recheados com, carne, queijo e cebola ou batata. Uma curiosidade: sabiam que estes pasteis foram criados como marmita para os os homens irem trabalhar para o campo? E as bordas da massa não se comiam pois serviam apenas para os homens segurarem no pastel com as mãos sujas.

Também comemos o famoso Fish and chips que nos soube mesmo talvez por estarmos mais próximos do mar 😀 Sabiam que esta refeição teve origem portuguesa nos inícios do século XVI?

E claro, que eu tinha de experimentar o famoso Cream Tea, uma variante do Afternoon Tea, típico e originário desta zona 🙂

Foram dias maravilhosos neste pequeno paraíso a sudoeste de Inglaterra, do qual nos não queríamos sair e havemos de tornar a voltar 🙂

E assim demos por terminado um Verão diferente mas muito intenso 🙂

Mesmo em tempo de pandemia, conseguimos tirar uns dias em segurança para repor energias 🙂

E na viagem de regresso o GPS fez-nos esta surpresa para fugirmos ao transito: Passamos por Stonehenge

Stonehenge – imagem da minha autoria

Ficaram com vontade de visitar? 🙂

Como foram as vossas ferias? 🙂

About Matilde Ferreira

19 anos de 9/11

O novo milênio não começou da melhor forma. Não começou como todos nos imaginávamos que fosse acontecer. Crescemos a pensar que o futuro teria carros voadores como vamos no filme Regresso ao Futuro com Michael J. Fox. Ao invés disso desde aquele dia que parece que o mundo começou a desabar… É como se o 11 de Setembro tivesse sido o principio do fim.

Mas para mim o inicio do Novo Milênio foi sinal de recomeço e de esperança. Sai de uma grande Depressão que me deixou enclausurada em casa durante quase um ano. Reencontrei-me. Redescobri-me. Vi a minha luz própria. Aprendi a amar-me e a respeitar-me.

E tanta coisas aconteceu nestes 19 anos, tive vários empregos, alguns namorados, muitas desilusões, muita luta, conheci o meu melhor amigo, o meu amor, fomos viver juntos, emigramos, mudamos de casa, fui operada, fiz tratamentos de FIV, tivemos um filho, o nosso arco-íris, depois da tempestade, o maior presente que a vida me podia dar, mudamos outra vez de casa, fui novamente operada, casamos ou melhor, oficializamos a nossa relação de 13 anos, na altura… e o mundo continuou a girar à nossa volta… e vai continuar pois enquanto ha vida ha esperança, segundo dizem 🙂

Gostava que também tivesse acontecido o mesmo com a humanidade. Mas ao invés disso, 19 anos depois, vivemos num clima de pandemia, somos obrigados a usar mascaras para sobreviver a um virus invisível para o nosso bem e o de todos. E mesmo assim grande parte da humanidade vive em negação, consumida por um umbiguismo letal. Incrível!

Apesar de tudo eu continuo a acreditar sempre num futuro melhor, ate porque este é o nosso futuro:

Imagem da minha autoria

E para vocês, o que significam estes 19 anos?…

About Matilde Ferreira

Outro sitio bonito arredores de Londres…

Podia ficar aqui horas a ouvir este som tão parecido com o do mar 🙂

Ray Mill Island é uma ilha no rio Tamisa, na Inglaterra, em Boulter’s Lock, perto de Maidenhead, Berkshire. Jardins extensos em Ray Mill Island, represa e caiaque descem do topo da ilha. Fica imediatamente a leste da Ilha de Boulter, separada pelo antigo fluxo do moinho. A ilha é agora um parque administrado pelo Royal Borough of Windsor e Maidenhead. O nome é uma homenagem à família Ray, que já teve um moinho de farinha aqui. O moinho foi construído em 1726 no local de um moinho anterior e continuou a produzir farinha até a década de 1920. O açude de Boulter vai da extremidade superior da ilha até a margem leste perto de Taplow. Uma calha de caiaque foi construída ao lado do açude na ilha.

Situado a 30 minutos de carro a oeste de Londres, este sitio é repleto de recantos acolhedores, mágicos e apaziguadores.

O Louis adorou e divertiu-se tanto a atirar pauzinhos e folhinhas para a agua como se fossem barquinhos a flutuarem. Explorar a Natureza é mesmo bom 🙂 Ajuda a dar largas à imaginação, criar é fantástico, não acham?

E apesar do vírus ainda andar por aí, infelizmente, nos gostamos de ir para sítios onde possamos andar à vontade sem muitas pessoas, pois todo o cuidado é pouco.

Passear faz tão bem 🙂 E vocês, têm passeado muito?

About Matilde Ferreira

Podia ficar aqui para sempre…

Imagem da minha autoria – Sheerness Beach

The Happy to Chat Bench

Adoro encontrar estas fantásticas ideias aqui no Reino. 🙂 Podia ficar aqui para sempre mesmo, sentada neste banco com vista para o mar relaxante. Uma vista de cortar a respiração. Adoro!

Vamos conversar com uma vista para o mar? Esta ideia foi criada para ajudar a combater a solidão. Para ajudar a melhorar a saude mental das pessoas. 🙂 E em boa hora, não acham? 🙂

Sentada neste banco

Com os meus pensamentos

Fico à espera

Que a maré encha

Até ao anoitecer…

Perco as noção das horas

E sem eu dar conta

Tu sentas-te ao meu lado

Pegas na minha mão

Mexes-me na orelha

Com o toque especial…

Senti um arrepio leve e bom

Encostei a cabeça no ombro dele

E deixamo-nos ficar ali…

Abraçados, em silencio diante

Daquela vista de cortar a respiração.

E foi assim que tudo começou 🙂

*Texto da minha autoria*

About Matilde Ferreira

Anne Frank: Parallel Stories

Com a participação de Helen Mirren que narra partes do celebre Diário de Anne Frank.

Anne Frank deixou-nos um legado, para que a Historia não volte a repetir-se. Um legado que a humanidade não pode nem deve esquecer, por muito que nos custe.

Anne não devia ter passado pelas coisas que passou, pelos medos e sobressaltos que foi obrigada a passar. Anne era uma adolescente como tantas outras com os seus sonhos típicos de menina-mulher. E tal como Anne existiram muitas outras outras adolescentes que passaram pelo mesmo e algumas conseguiram sobreviver aos traumas da guerra e do holocausto. E estas historias são contadas na primeira pessoa neste documentário.

Se ainda não viram, recomendo que o façam. E aproveitem para lerem o Diário de Anne, se também ainda não o fizeram 😉

About Matilde Ferreira