Category Archives: Memories

Queda do Muro de Berlim

Lembro-me como se fosse hoje. E 5 anos depois percorri a Alemanha. Ainda se sentia o clima de mudança. Apesar da calma das pessoas. Sim, notava-se que estavam mais tranquilas, aliviadas. A queda do Muro assinala o fim da Guerra Fria e a liberdade para muitos alemães que se viram separados das suas famílias. A Alemanha mostrou ao mundo que a união faz realmente a força.

Recomendo que vejam esta reportagem/ documentário da RTP: https://www.rtp.pt/play/p5280/e437623/linha-da-frente

Image retirada do Facebook

E mais uma vez volto a dizer que estudar Historia serve para não voltarmos a repetir os erros do passado, e este grupo de Alemães mostrou isso ao Sr. Trump: https://www.newsweek.com/germany-berlin-wall-donald-trump-1470778

Sim, Sr. Trump, os muros acabam sempre por cair, mais tarde ou mais cedo.

About Matilde Ferreira

O Gato Preto

Sempre gostei de gatos pretos. Fascinam-me. Existe algo magico neles. Quando era miúda, ficava perdida nos meus pensamentos, e a minha mãe costumava perguntar:

“O gato comeu-te a lingua?” E eu, continuava sem resposta, mas na minha cabeça, respondia que o gato tinha levado a minha lingua nas asas da minha minha imaginação. Ja imaginaram como seria se disséssemos tudo o que pensamos em crianças? Havia de ser giro. Eu sempre fui muito contida com os meus pensamentos. Mas sempre tive uma imaginação muito fértil. Agora imaginem que o gato da minha imaginação tinha mesmo voado para fora dos meus pensamentos. Era um gato preto. De pelo macio e de olhos verdes. Muito meiguinho. Sempre a pedir miminhos. Sempre pronto para a brincadeira também. À noite gostava de se aninhar na minha almofada por cima da minha cabeça. Eu já não conseguia adormecer de outra forma. 🙂

Pensando bem, a minha gatinha fazia o mesmo quando era pequenina 🙂

Imagem da minha autoria

About Matilde Ferreira

Madama Butterfly

A minha primeira opera. Fomos vê-la ao Coliseu do Porto em 2012, pouco antes de virmos para o Reino Unido, e eu fiquei emocionada do principio ao fim da peça. É uma historia triste mas muito bonita e intensa.

Esta ópera estreou pela primeira vez em Milão, no Teatro alta Scala, e conta a historia de uma jovem gueixa que sei apaixonou por um oficial da marinha americano, mas quando a guerra termina, ele regressa aos Estados Unidos, levando-a a suicidar-se 🙁

A trama da ópera M. Butterfly foi inspirada no relacionamento entre um diplomata francês,

Bernard Boursicot, e um cantor da ópera de Pequim, Shi Pei Pu.

One good day, we will see
Arising a strand of smoke
Over the far horizon on the sea
And then the ship appears
And then the ship is white
It enters into the port, it rumbles its salute.

Do you see it? He is coming!
I don’t go down to meet him, not I.
I stay upon the edge of the hill
And I wait a long time
but I do not grow weary of the long wait.

And leaving from the crowded city,
A man, a little speck
Climbing the hill.
Who is it? Who is it?
And as he arrives
What will he say? What will he say?
He will call Butterfly from the distance
I without answering
Stay hidden
A little to tease him,
A little as to not die.
At the first meeting,
And then a little troubled
He will call, he will call
“Little one, dear wife
Blossom of orange”
The names he called me at his last coming.
(To Suzuki)
All this will happen,
I promise you this
Hold back your fears –
I with secure faith wait for him.

E vocês, ja foram à Opera? 🙂

About Matilde Ferreira

Happiness in a Smile

Imagens da minha autoria

Quem diria que este bebe todo sorridente ja vai para a creche daqui a uma semana? 🙂 Dei por mima percorrer as fotografias do meu album do Google com um sorriso nos lábios ao ver o percurso do nosso filhote e ficar de coração cheio ♥

Obrigada, filhote, por estes 3 anos maravilhosos 🙂 Venham mais 🙂

Quero desejar-te toda a sorte do mundo nesta nova fase da tua vida 🙂 Os papas vai estar sempre contigo 🙂

Espero que estas fotografias do Lu inspirem a vossa semana 😉 Sorriam muito 🙂

About Matilde Ferreira

Storyteller Dices D’As Gavetas| O Telefone

Tenho uma relação complicada com o telefone. Foi o meu principal material de trabalho da ultima década. Talvez por ter falado tantas horas ao telefone agora não goste de o fazer. Prefiro escrever, enviar mensagens. Pelo menos fica tudo registado. Enquanto que por voz, é tudo momentâneo. Agora que me lembro, ja nos empregos quando queria que algo ficasse provado, preferia enviar um email. Assim não existiam margens para duvidas.

Mas dou por mim a ter saudades de falar ao telefone com os clientes. E acreditem que eu adorava conversar com eles. É um sentimento contraditório, eu sei. Mas tenho muitas saudades daquelas conversas. O simples gesto de pegar no telefone e animar o dia de outras pessoas não tem preço. Sentir que animamos o dia de outras pessoas é mesmo muito bom. Mesmo que, no meu caso so estivéssemos a vender aço inox ou ligas especiais, ou a prestar informações sobre fiscalização de gêneros alimentícios. 🙂

O mais incrível é quem vivemos numa era em que é raro usar a principal função do telefone: fazer chamadas. As vezes faz bem fazermos uma chamada. A minha mãe adora que eu lhe ligue e eu adoro falar com ela. A distancia pesa. Mas estes telefonemas ajudam bastante.

As vezes, apesar de estarmos rodeados de pessoas virtualmente, o que nos precisamos mesmo é de alguém que nos ligue a perguntar se estamos bem 🙂

Um simples telefonema pode salvar uma vida, quando pensarem em alguém liguem-lhe, vocês não imaginam o quanto esse gesto pode ajudar essa pessoa 😉 Este pensamento veio de encontro à campanha Setembro Amarelo – mês da prevenção contra o suicídio.

Falar faz bem, alivia a alma! Por muito que não gostemos de falar ao telefone 😉 Eu aprendi a deitar ca para fora aos meus 20 anos depois da minha depressão e foi a melhor coisa que fiz 🙂 Nem que seja para o papel 😉 Escrever alivia tanto 🙂

Imagem da minha autoria

E vocês, gostam de falar ao telefone? 🙂

Aproveitem o dia de hoje para ligarem a quem vocês acham que precisa 😉

About Matilde Ferreira