Tag Archives: As Gavetas da Minha Casa Encantada

Storyteller Dice 2.0 d’As Gavetas| Pedidos de Aniversario

-Mummy, mummy , no meu aniversario queria uma bola e uma bicicleta!- exclamou o Louis, num ingles aportuguesado. 🙂

Uma bola e uma bicicleta. Duas coisas tao simples. Tao simples mas que têm o poder de libertar a imaginação de qualquer criança.

– Porquê uma bola e uma bicicleta, filho? – perguntei eu, ja pressentindo a resposta. 🙂

– To feel the wind (para sentir o ventinho) – disse ele ainda mais excitado.

-E a bola? 🙂

-Para atira-la ao ar e correr atras dela 🙂

É incrível como uma criança fica contente com tao pouco. 🙂 E acrescentou mais, a bicicleta era para ir passear ate ao parque onde estavam os seus amigos com quem ia brincar e jogar à bola. Não precisa de muito para ser feliz. E isso faz-me tao bem ao coração. 🙂

Imagem da minha autoria – Natal de 2019
Imagem da minha autoria – Verão de 2018

About Matilde Ferreira

Storyteller Dices d’As Gavetas| O Tempo

O Tempo não espera por ninguém… o Freddie é que tinha razão.E ele mais do que ninguém sabia bem o que isso era. No mes em que lembramos a sua morte, dou por mim a pensar como seria se ele tivesse sobrevivido à maldita doença… O que mais me conforta é que ele continua a ser uma fonte de inspiração. Pelo menos para mim e para o meu filhote que não se cansa de admirar os seus videos e as suas musicas.

É incrível como quanto mais fazemos e mais temos para fazer mas depressa o tempo passa. O tempo voa. Estou constantemente a dizer isto. Principalmente quando fazemos coisas que gostamos. O tempo voa quando passamos momentos bons com quem mais gostamos. Os anos passam cada vez mais rápido. Nem acredito que estamos quase no Natal. Mais um. Vamos fazer para que seja recheado de bons momentos.

Imagem da minha autoria

Deixo-vos com esta ladainha que tanto me diz:

O tempo perguntou ao tempo quanto tempo o tempo tem, e o tempo disse ao tempo que o tempo tem tanto tempo quanto tempo o tempo tem.

Este desafio foi criado pelo blog As Gavetas da Minha Casa Encantada.

About Matilde Ferreira

Storyteller Dices D’As Gavetas| O Telefone

Tenho uma relação complicada com o telefone. Foi o meu principal material de trabalho da ultima década. Talvez por ter falado tantas horas ao telefone agora não goste de o fazer. Prefiro escrever, enviar mensagens. Pelo menos fica tudo registado. Enquanto que por voz, é tudo momentâneo. Agora que me lembro, ja nos empregos quando queria que algo ficasse provado, preferia enviar um email. Assim não existiam margens para duvidas.

Mas dou por mim a ter saudades de falar ao telefone com os clientes. E acreditem que eu adorava conversar com eles. É um sentimento contraditório, eu sei. Mas tenho muitas saudades daquelas conversas. O simples gesto de pegar no telefone e animar o dia de outras pessoas não tem preço. Sentir que animamos o dia de outras pessoas é mesmo muito bom. Mesmo que, no meu caso so estivéssemos a vender aço inox ou ligas especiais, ou a prestar informações sobre fiscalização de gêneros alimentícios. 🙂

O mais incrível é quem vivemos numa era em que é raro usar a principal função do telefone: fazer chamadas. As vezes faz bem fazermos uma chamada. A minha mãe adora que eu lhe ligue e eu adoro falar com ela. A distancia pesa. Mas estes telefonemas ajudam bastante.

As vezes, apesar de estarmos rodeados de pessoas virtualmente, o que nos precisamos mesmo é de alguém que nos ligue a perguntar se estamos bem 🙂

Um simples telefonema pode salvar uma vida, quando pensarem em alguém liguem-lhe, vocês não imaginam o quanto esse gesto pode ajudar essa pessoa 😉 Este pensamento veio de encontro à campanha Setembro Amarelo – mês da prevenção contra o suicídio.

Falar faz bem, alivia a alma! Por muito que não gostemos de falar ao telefone 😉 Eu aprendi a deitar ca para fora aos meus 20 anos depois da minha depressão e foi a melhor coisa que fiz 🙂 Nem que seja para o papel 😉 Escrever alivia tanto 🙂

Imagem da minha autoria

E vocês, gostam de falar ao telefone? 🙂

Aproveitem o dia de hoje para ligarem a quem vocês acham que precisa 😉

About Matilde Ferreira

O Pássaro| Storyteller Dices d’As Gavetas

Imagem da autoria do blog As Gavetas da Minha Casa Encantada

Vi o filme Fernão Capelo Gaivota na escola e adorei. De cada vez que via uma gaivota sonhava voar como ela. Ainda hoje fico maravilhada com gaivotas. Alias das coisas que mais gosto de fazer é passear no parque e ouvir os passarinhos cantar. Tambem gosto muito de acordar com os passarinhos a cantarem na minha janela. Tão bom. Uma das primeiras palavras que o nosso Lu aprendeu foi bird, e também sabe que é piu-piu 🙂

O meu avô tinha rolas. Das primeiras recordações de infância que eu tenho, é de passar os dias a imita-las: Cucurrrruuuu! Cucurrrruuuu! Isto lembrou-me de uma historia engraçada que a minha mãe costuma contar: uma vez na igreja de Aveiro, estava o padre a dizer o sermão, e de repente, começa-se a ouvir na igreja toda uma menina pequenina a imitar o som das rolas: Cucurrrruuuu! Cucurrrruuuu! A minha mae pegou em mim e levou-me para fora da igreja meio envergonhada, mas com uma vontade de rir imensa. O meu avô, mal continha o riso, e so dizia para me deixar cantar 😀

Imagem da minha autoria – Eu com as rolas do meu avô, quando tinha 5 anos 🙂

Gostaram desta historia? Que memórias têm da vossa infância? 🙂

Este desafio foi criado pela Andreia do blog As Gavetas da Minha Casa Encantada. Podem saber mais detalhes AQUI.

About Matilde Ferreira

O Autocarro| 3. Tema StoryTeller Dices D’As Gavetas

Como não tenho carta, este meio de transporte sempre fui, quase, a minha segunda casa. Acho ate que passei grande parte da minha vida dentro das camionetas de carreira da minha terra como forma de me deslocar para os empregos. Tenho tantas historias para contar, seja pelo tempo interminável em que ficava à espera do autocarro, ou então porque eram tao velhas que avariavam a meio do caminho, pelas conversas com os motoristas com quem fiz amizade, alias um dos meus melhores amigos era motorista de autocarro. E o melhor de tudo é que aproveitava as longas horas que passava no autocarro para fazer das coisas que mais gosto na vida: LER. Sim, eu consigo ler em autocarros e comboios, só em aviões é que fica mais difícil, acho que deve ser por causa da turbulência.

Como disse tenho muitas memórias deste meio de transporte que acho que tudo começou na minha infância, quando me sentava no colo do meu avô nos degraus da mercearia da esquina a ver passar as camionetas. E esse bichinho passou para o meu mano mais novo que desde os 3 ou 4 anos que adora autocarros, ate ja quis ser motorista, mas parece que lhe passou esse desejo. Parece que o estou a ver sentado atras do motorista, a imitar as manobras com os brasidos levantados e a rodar. E o mais incrível é que o Lu faz o mesmo sem o mesmo sem nunca ter andado de autocarro, uma coisa que temos de fazer em breve. Sempre que vamos à rua, ele adora ver os famosos red buses (autocarros vermelhos londrinos) a passar quase que em fila indiana, e chegou mesmo a cumprimentar os motoristas.

Imagem da minha autoria – um dos famosos autocarros vermelhos britânicos na nossa rua

Este desafio foi criado pela Andreia do blog As Gavetas da Minha Casa Encantada. Podem saber mais detalhes aqui.

About Matilde Ferreira