Category Archives: Desabafo

Obrigada, 2020 :)

Não foste tu que foste mau, 2020… são as pessoas que continuam a fazer tudo mal! Se nem mesmo uma pandemia faz com que aprendam a dar valor ao melhor da vida, então não sei… Só sei que o mais importante é manter-nos em segurança e proteger aqueles que mais amamos para que o próximo Natal seja melhor! Ca em casa já estamos habituados a passar o Natal a 2, agora a 3 e adoramos, sem queixas nem lamúrias, e adoramos porque nos sentimos bem onde o nosso coração está melhor ❤️ Perdemos a nossa mãe este ano por causa da incompetência das pessoas, não foi por causa do ano… não foi nem está a ser fácil mas sei que ela está sempre presente nos nossos corações ❤️

Fiquem com o trailer do fantástico filme do Netflix que faz o resumo perfeito deste ano que marca uma nova década do novo milênio.

About Matilde Ferreira

O melhor da pandemia…

Sim, nem tudo é mau nesta pandemia, pelo menos para mim que deteto a confusão das multidões. Ha 7 anos quase sufocamos no meio da multidão do Carnival de Notting Hill como falei aqui.

Se ha coisa que dá paz é entrar numa carruagem de metro ou comboio ou num autocarro vazio. Chamem-me anti-social, não quero saber…sinto-me bem assim.

Nao tenho saudades de ruas aglomeradas de gentes.

Talvez isto sirva para as pessoas finalmente darem valor às memórias. Sem exageros. Tenho muito boas memórias do Sao Joao no Porto. Fomos por 3 anos consecutivos ver o fogo da Passagem de Ano no Aliados. Ca em Londres sempre dissemos que preferimos ficar em casa. Das melhores decisoes que tomamos.

Prefiro andar pelas ruas vazias da cidade do que em aglomerados. Sempre fugi das enchentes dos shoppings. Basta meia hora la dentro para me sentir com falta de ar…

Não me considero anti-social mas preservo bastante o meu espaço e a minha paz de espirito. 🙂

E voces?

About Matilde Ferreira

Playlist do meu ano: 1977

Para hoje trago-vos a playlist do meu ano, 1977. Porque a musica faz parte da minha vida desde sempre, para alem de me ajudar a concentrar, também me relaxa bastante.

1.Nobody Does It Better – Carly Simon – uma musica que me lembra tempos de namoro. 🙂 Fez parte da banda sonora do filme 007, The Spy Who Love Me, com o meu espião secreto preferido, e o da minha mãe, Roger Moore.

2. Little Lies – Fleetwood Mac – Das minhas musicas preferidas desta banda, simplesmente relaxante 🙂

3. Dreams- Fleetwood Mac – deixem-se levar e sonhem muito 🙂

4. We Will Rock You – Queen – que grande malha 🙂 palavras para quê? Esta musica é um hino ao rock.

5. We Are The Champions – Queen – musica do ano dos campeōes 🙂 Apesar desta musica ter sido dedicada à comunidade LGBT, sempre que a ouço, lembro-me do meu clube, F.C. do Porto.

6. Easy – Commodores – musica calma, que me relaxa 🙂

7.Give a Little Bit – Supertramp – sempre gostei muito de Supertramp, desde pequenina quando dançava ao som das musicas que os meu primos mais velhos ouviam 🙂

8. Rocket Man – Elton John – uma musica que dedico ao nosso pequeno Louis, porque ele adora foguetōes 🙂

9. You’re So Vain – Carly Simon – esta musica foi-me apresentada pelo meu primo, que tambem me deu a conhecer uma das minhas bandas preferidas, os U2. Esta era a musica preferida dele, e ainda hoje eu a associo a ele.

10. Don’t Go Breaking My Heart – Elton John & Kiki Dee – o Louis adora esta musica, fartamo-nos de dançar ao som dela 🙂

11. God Save the Queen – Sex Pistols – uma musica que me faz lembrar o país onde vivo 🙂

12. How Deep is Your Heart – Bee Gees – que nostalgia, esta musica apesar de ser muito bonita traz-me recordações tristes mas é sinal que essas vivencias me fizeram aprender, crescer e amadurecer.

13. I’ve Got Love on my Mind – Natalie Cole – Adoro 🙂 palavras para quê, mais uma voz maravilhosa que me relaxa tanto 🙂

14. The Name of the Game – ABBA – da banda preferida da minha mãe, finalizo em jeito de homenagem para ela 🙂

Deixo-vos também com as minhas musicas preferidas de um ano que me diz muito, o ano do meu irmão mais novo, 1992, porque são as musicas que marcaram a minha adolescência 🙂

Espero que tenham gostado destas seleções. Têm alguma preferida? 🙂

About Matilde Ferreira

Tem juízo, Tininha…

Também eu já fui chamada de puta pelas minhas vizinhas, e sem motivo mas elas nao tinham nada a ver com isso, e não me orgulho disso, porque apesar dos pesares tenho respeito pelas prostitutas como tenho por qualquer outra profissão, sabes que não sabemos o que as levou a optar por essa vida, nem as devemos julgar por essa decisão… Ninguém está acima de ninguém Tininha, nem mesmo tu…

Diz que neste livro fala sobre o bullying que sentiu aquando da passagem da SIC para a TVI mas esta é esta comparação que ela está a fazer com esta capa do livro que é um autentico bullying às prostitutas… 🙁

É preciso muito para se chegar aos calcanhares de Gabriel Garcia Marquez ou Miguel Esteves Cardoso. Memórias das minhas putas tristes e Como é linda a puta da vida, dois livros que quero muito ler. Já o teu dispenso, assim como dispensei o primeiro. És da minha idade, tens o meu segundo nome e tal como tu ja vivi muito nesta vida, acredita mas nunca precisei de subir na vida às custas de perder a minha dignidade. Sempre ponderei muito bem todas as decisōes que tomei. Não me deslumbro com futilidades… Ao longo da minha vida aprendi que quanto mais se soube maior é a queda por isso devemos ser discretos, humildes e modestos sem ambições desmedidas. Bem sei que a minha opinião não vai de encontro à maioria, mas vai de acordo com a minha consciência. Acreditem que ja me diverti bastante com a Cristina e com o Goucha mas tudo o que é demasiado enjoa… e eu fartei-me. Foram uma companhia nos meus tempos de desempregada mas abri os olhos para a realidade.

E estou sem palavras por ter sido o Valter Hugo Mãe a ter escrito o prefacio do livro, de certeza que a Tininha não o está a confundir com o Pedro Chagas de Freitas?… Porque ate agora ainda não vi o VHM pronunciar-se sobre o assunto…

Deixo-vos com o pensamento da Miss Piggy porque esta sim, é mais sincera 😀

Imagem retirada do Google

About Matilde Ferreira

O meu maior sonho…

… é que as doenças femininas deixem de serem tratadas como um bicho de sete cabeças por parte dos médicos e da sociedade. Eu falo por experiencia ao longo dos anos a minha doença agravou-se porque os médicos confundiam os sintomas, diziam que eram cólicas e davam-me clisters… Gostava que esses sintomas fossem bem interpretados para que assim as doenças não se agravem para algo pior… Sim, porque no meu caso os cistos nos ovários podem levar a cancro com o passar da idade (este é meu maior receio desde que a doença me foi diagnosticada aos 18 anos… ainda não tinha internet nem computador para poder pesquisar sobre a doença. O que me valeu foi a informação da minha medica de família na altura e os panfletos que ela me disponibilizou… corria o ano de 1996, pesquisei muito sim, mas em livros.) . Diabetes Tipo II e problemas de coração, crises de rins, pernas e tornozelos inchados que levam a tromboses… são também umas das causas da doença/ síndrome.

E esta pandemia não está a ajudar em nada, porque eu sei que os médicos estão demasiado ocupados a combater este vírus terrível… que ainda não tive a oportunidade de fazer os meus exames anuais de rotina.

Identifico-me tanto com esta rapariga norte-americana, Shelby Eckard, conhecida como PCOS Support Girl que sigo no Facebook, Twitter e Instagram.

Quantas vezes nós nos colocamos em segundo lugar ora porque dissemos ao medico que os exames ficam para a próxima consulta, ora porque temos louça para lavar, ora porque temos de ir levar o filho à escola, ora porque temos de os entreter… e o nosso corpo vai dando sinais mas não fazemos por não ligar.Revi-me tanto com este texto da PCOS Support Girl.

Imagem retirada do Facebook – Texto do Instagram aqui

Ela é democrata e apesar de estar fortemente combalida por causa da doença, esteve quase 4 horas na fila para votar… sujeita a ser insultada e agredida pelos apoiantes radicais do Trump. 🙁 E mesmo assim ela não desistiu, mesmo depois de ter passado os últimos dias no hospital. Sim, porque ela sabe que o seu voto conta para as coisas mudarem, principalmente se forem para ajudar a saude dela.

Gostava de acordar um dia e não ter mais estes sintomas, acordar varias vezes a meio da noite com a barriga a rebentar a pensar que não vou aguentar e que não vou passar dessa noite… 🙁

Gostava muito que os médicos deixassem de dizer que a cura para a PCOS está em perder peso, eu era muito magra quando fui diagnosticada esta síndrome e foi a pílula receitada pelos médicos que me fez engordar…

O que me vai dando forças para seguir em frente são a minha família, os meus dois amores e estes podcasts sobre a PCOS onde a Shelby participa com outra rapariga, a Jeni da minha idade, que também sofre da doença, e ja teve dois cancros… Estas conversas vão me mostrando que eu não estou sozinha nesta luta. 🙂

About Matilde Ferreira