Conversas às quartas… com a Cris Loureiro

Conheci a Cris (Cristina) Loureiro, através do grupo Vidas quase Perfeitas, do qual ela é a criadora, e logo criei uma boa empatia com ela. Tem 43 anos (quase 44)  mãe de duas traquinas de 4 e 6 anos, mulher de um homem companheiro e cheio de coragem, dona de 2 gatos preguiçosos e de um gatinho cheio de energia. Considera-se uma Lisboeta do mundo. Aos 26 anos mudei-me para o Porto e aos 34 foi à descoberta de Londres, com 36 anos engravidou pela primeira vez e foi morar para Rochester, Inglaterra, onde actualmente mora mas já com vontade de voltar a mudar. Formada em Arquitectura, que exerceu por cerca de 8 anos, sempre amou escrever e hoje é isso que faz, isso e criar peças decorativas que fluem da sua escrita e dos momentos (im)perfeitos da sua vida, através da marca [im]perfect.

1- Para acompanhar a conversa… chã de…

Se fosse noutra altura dizia café mas estou cada vez a encantar-me mais pelo chá, em especial no Inverno. Durante o dia chá verde, ao fim do dia opto por Camomila.

2- Bolo ou Biscoitos?

Normalmente sempre bolo mas há determinados biscoitos que me tiram do sério, este de canela que estou agora a comer para acompanhar o meu chá é um deles, adoro canela.

3- Como surgiu a tua ideia de criar estas peças da tua loja Imperfect Store?

O Artesanato entrou na minha vida em 2006, cheguei a ter uma loja em sociedade com uma amiga onde vendiamos artigos feitos à mão para decoração de espaços infantis, alguns deles feitos por nós. Desde então nunca deixei de estar ligada à área. Em 2016 descobri finalmente a formula de unir as três áreas que mais gusto e que não consigo ver a minha vida sem elas: escrita, decoração e artesanato , nasceu a [im]perfect store, uma loja online que vende peças decorativas desenhadas e executadas por mim, inspiradas na minha escrita e na minha vida.

4- O que te da mais prazer na vida?

A vida tem imensos prazeres e é muito difícil destacar apenas alguns. Há coisas às vezes tão pequeninas que nos surpreendem quando descobrimos a felicidade que nos dão. Estar com os meus 3 amores no nosso ninho ou junto ao mar é dos momentos que mais me alegram. As viagens que fazemos, os planos que construimos, eles dão sentido a tudo, até aos dias solitários que passo no meu cantinho de trabalho a fazer crescer a [im]perfect.

5- Gostas de viver ca no UK?

Com as minhas pessoas viveria em qualquer parte do mundo mas sim, no seu todo o Reino Unido é um lugar fácil de se viver. Sinto a falta da luz do nosso país mas aqui a chuva e o frio também me parecem mais fáceis de aturar do que em Portugal.

6- Se pudesses escolher outro pais para viver qual seria, sem ser PT?

Acho que não escolhemos os países eles é que nos escolhem a nós pelas oportunidades ou possibilidades que nos apresentam. Viemos para Inglaterra porque tinhamos aqui quem nos desse um tecto para começar e, especialmente, um de nós já tinha trabalho garantido além de que ambos conheciamos a língua o que nos ajudaria muito nesta aventura. Se tivesse de sair daqui provávelmente pensaria da mesma maneira e neste sentido, das opções que tenho, optaria pela Bélgica.

7- Como te imaginas daqui a 10 anos?

Espero que a viver numa casa mais perto do mar onde a brisa marinha faça parte das minhas caminhadas diárias. Com as minhas filhotas como minhas melhores amigas e sempre de mão dada com o meu homem de e para sempre.

8- O que achas do meu blog Cantinho da Tily?

Um cantinho acolhedor onde pouso os olhos sempre que a azáfama da vida me permite. Nele encontro carinho, atenção e sonhos, encontro-te a ti

9- Livro de cabeceira?

“Uma casa na Grécia” de Rosie Thomas, é o primeiro livro que estou a ler desta autora, escolhi-o porque estou cheia de vontade de viajar até à Grécia e achei que esta seria uma forma de o fazer.

10- Conta-nos/ Como é o teu dia-a-dia?

Acordo por volta das 7:15 arranjo-me e preparo o pequeno-almoço delas, acordo as miúdas, ajudo-as a arranjarem-se e levo-as às escolas. Nos dias em que não sigo para a minha caminhada matinal, às 9:15 já estou em casa de novo, tomo o meu pequeno-almoço e subo para o meu espaço de trabalho onde fico até perto das 15:00, hora a que vou buscar as miúdas. Depois varia muito, se tenho trabalho urgente volto ao trabalho e elas ficam a brincar ou a ver um filme, se não tenho nada urgente fico-me pelo andar de baixo a arrumar, limpar, preparer o jantar, ajudar com trabalhos de casa, etc.

11- O que gostarias de dizer aos teus clientes e futuros clientes?

Cada peça que faço é um pedacinho de mim que envio, será sempre assim, com o mesmo carinho e atenção, quando assim deixar de ser deixará de fazer sentido. Obrigada por me fazerem voar para destinos que de outra forma provavelmente nunca visitaria.

Beijocas grandes e obrigada a ti, Matilde, por toda a amizade e apoio que tens dado a mim e aos meus projectos.

Espero que tenham gostado tanto desta conversa quanto nos e deve ja agradeço de coração à Cris por ter aceite o meu convite 😉

Do que estão à espera para visitar a loja da Cris? 🙂

About Matilde Ferreira

Conversas às quartas… com a Catherine Batista

A Catherine é das pessoas mais queridas que tive oportunidade de conhecer nos últimos 5 anos. Ela diz-se uma mulher comum, igual a tantas outras, e é esta modéstia simples e sincera que eu mais aprecio nela.Tem 32 anos, é do  signo caranguejo e tem um filhote com quase 10 anos. Vive no Ribatejo (que é a terra do marido) mas como podem ver pelo seu nome (Catherine) não nasceu em Portugal. Nasceu em França, pois é filha de emigrantes (aliás toda a sua família é emigrante) e aos 11 anos foi estudar para Portugal morando junto com os seus avós maternos. Tarefa árdua (pois apesar de entender a língua,  não sabia nem escrever nem falava tão pouco), mas correu bem e sempre foi bem recebida e teve amigos fantásticos nesses tempos.

1- Para acompanhar a conversa… chã de… frutos vermelhos sempre! Provei e até é o favorito do meu filhote.

2- Bolo ou Biscoitos? Bolo e de preferência caseiro…

3- O que te faz bem ao coração? Amabilidade das pessoas

4- Como surgiu a arte de fazeres coisas a mão? Eu sempre gostei imenso de fazer coisas a mão, em pequena como não havia recursos financeiros, eu costumava fazer casas de papelão para as minhas barbies. Em 2010 comecei por fazer bijuteria e crochet porque precisava de algum dinheiro extra, e esta paixão hoje estendeu-se à costura também.

5- Qual a terra de Portugal que mais gostas? Ainda não tive oportunidade de conhecer o nosso Portugal inteiro, mas gosto do sitio onde me sinto em casa!!

6- Qual e a tua viagem de sonho? Felizmente a minha viagem era Paris (voltar às minhas origens) e consegui (duas vezes) após 20 anos. Já fui a New York, Inglaterra, e hoje já me contentava com umas férias nas Seychelles <3 <3

7- Como te ves daqui a 10 anos? Feliz e resolvida. Despida de preconceitos, e amor pleno para perceber certas atitudes de certas pessoas.

8- Hobby preferido? Fazer mantas de crochet para bebés, não há nada mais relaxante para mim.

9- Livro de cabeceira? “A Magia dos Anjos e dos Seres da Natureza” – Joana Barradas.

10- O que mais gostas de escrever no teu cantinho? Sabes que não tenho um assunto especifico? Gosto de falar de tudo um pouco que seja positivo e que possa inspirar os outros. A negatividade é assunto “proibido”, a vida tem já demasiados problemas para “escarrapachar” más energias num blog.

11- Como organizas o teu dia-a-dia e quais as tuas dicas para uma alimentação saudável e equilibrada? Nem todos os meus dias são iguais, e digamos que organização é algo que não consigo ter a 100%… Eu trabalho em casa, sou dona de casa e ainda tenho filhote, e digamos que “navego” ao sabor do vento… A minha alimentação tem sofrido muitas alterações ultimamente. Estou a tentar escutar o meu corpo, saber o que ele pede, porque verdade é que não somos todos iguais, temos diferentes fases na nossa vida.

Eu acho que a melhor dica (que uso para mim ultimamente) é comer o mais natural possivel. Legumes, verduras, fruta e mais peixe que carne (é uma opção minha porque me tenho sentido melhor com o peixe). Posso dizer que desisti das dietas, para mim não resultavam. Horas, quantidades e calorias tudo contado é demasiado stress para mim. Faço hoje melhor que ontem…

Espero que tenham gostado tanto desta conversa quanto nos 😉

Ja conheciam a Catherine e o seu blog? 🙂

About Matilde Ferreira

Conversas às quartas… com a Andreia Morais

E hoje como convidada das Conversas às quartas, temos uma menina muito querida, a Andreia Morais. A Andreia tem 25 anos, vive em na minha terra, Vila Nova de Gaia e é mestre em Educação de Infância. Tem o blog que eu adoro seguir e ja não consigo passar um dia sem visitar 🙂 Recomendo que façam o mesmo.

1.Para acompanhar a conversa… chã de…

AM – Menta

2. Bolo ou Biscoitos?
AM – Bolo [de preferência, de chocolate]

3. Porque e quando criaste o teu blog?

AM – Criei As gavetas da minha casa encantada em agosto de 2013, porque senti necessidade de ter um blogue onde pudesse abordar vários temas que me fascinam, em vez de me limitar a publicar os meus textos ficcionais. Quis expandir a minha escrita a outras áreas. Desafiar-me. E criar um espaço que se adequasse a isso. Inicialmente, As gavetas seriam apenas um complemento do meu antigo blogue, mas rapidamente percebi que passariam a ser a minha única casa. Fui muito feliz no Parte do que sou, mas estava na altura de mudar, até porque deixou de corresponder àquilo que pretendia. Hoje, sem qualquer dúvida, sei que tenho um blogue à minha imagem, onde cabe um pouco de tudo que tenha significado para mim.

4. O que mais gostas neste mundo dos blogs?

AM – Adoro a diversidade, a identidade, a partilha e a interação com outros bloggers. Escrever é uma parte muito importante daquilo que sou. Mas ter a possibilidade de trocar opiniões com outras pessoas é fantástico, além de que nos permiti evoluir.

5. Se te surgisse a oportunidade de emigrar para onde irias?

AM – Confesso que é difícil responder a esta perguntar, porque nunca foi um objetivo [e espero que nunca venha a ser uma necessidade]. Ainda assim, Barcelona poderia ser uma possibilidade.

6. Qual é a tua viagem de sonho?

AM – Um dos meus maiores objetivos é poder conhecer Portugal de Norte a Sul, ilhas incluídas. E se fosse ao volante de uma Pão de Forma seria mais especial. No estrangeiro, adorava conhecer Barcelona, Santorini, Mykonos, Milão e Sydney.

7. Porquê educadora de infância?

AM – Em criança, nunca frequentei a creche e o pré-escolar, talvez por isso tenha desenvolvido uma maior curiosidade por essas faixas etárias. E como sempre gostei bastante da escola/de estudar, acabei por tentar descobrir aquilo que perdi por não ter andado numa creche/num jardim-de-infância. O certo é que é um sonho que me acompanha desde pequena.

8. Como vês as crianças deste novo milênio? Uma inspiração ou uma aventura?

AM – Honestamente? Ambas. Porque as crianças desafiam-nos e ensinam-nos imenso! A minha orientadora costumava dizer uma frase que, para mim, faz todo o sentido: precisamos de subir ao nível das crianças. Numa sociedade que ainda olha muito de cima para baixo, acho que é importante desconstruir a ideia de que os mais pequenos são um livro sem conteúdo. Eles sabem muita coisa, nós é que precisamos de aprender a ouvi-los. E de ser um exemplo, no verdadeiro sentido da palavra. Naturalmente, há coisas que não vão compreender, por estarem a descobrir o mundo. E necessitam da nossa ajuda. Da mesma maneira que precisam que lhes seja dada liberdade para se expressarem e fazerem as suas próprias aprendizagens.

As crianças são o nosso futuro, mas temos que lhes dar espaço para que sejam crianças, o que não significa privá-las de responsabilidades. Enquanto isso, devemos investir numa educação/formação/oportunidades cada vez melhores, para que toda a aventura do seu crescimento seja uma verdadeira inspiração quando olharem para trás.

9. Livro de cabeceira?

AM – Neste momento, estou a ler «Em teu ventre», de José Luís Peixoto

10. O que gostarias de dizer a todos os teus seguidores?

AM – Em primeiro lugar, agradecer por estarem sempre desse lado. É mesmo gratificante perceber que há pessoas que reservam um pouco do seu tempo para lerem e comentarem aquilo que escrevo e que partilho. Tenho crescido convosco! Em segundo lugar, dizer para nunca terem medo de arriscar. E para preservarem a identidade que vos caracteriza.

11. Como te vês daqui a 10 anos?

AM – Estável, tanto a nível emocional, como a nível profissional. Ou seja, com um emprego que me encha as medidas, casada, com um filho, bem perto de quem me é tanto e cheia de saúde.

Pergunta extra: Acreditas no nosso Porto campeão este ano? 😉

AM – Acredito! Não só pelos resultados alcançados, mas por toda a mística que regressou. Vejo os jogos do meu [nosso] clube e sinto que a união é inquebrável. Pessoalmente, acho que já tínhamos conquistado um pouco daquilo que é ser Porto com o Nuno Espírito Santo, mas sinto que o Sérgio Conceição fez uma revolução a fundo. E é tão bom perceber que a equipa e os adeptos estão juntos. A lutar pelo mesmo. Cada um no seu lado do campo. Voltou a ambição, a raça, a garra e aquele amor desmedido. Como portista, não podia estar mais orgulhosa!

Espero que tenham gostado tanto desta conversa quanto nós 🙂

Quem ainda nao conhece a Andreia e o seu blog? 😉

 

About Matilde Ferreira