Como é possível?

Eu ainda estou em choque com esta ultima reportagem da Stacey Dooley… Fixem este nome pois as reportagens dela são de fazer arrepiar as pedras da calçada.

Hoje trago-vos dois documentários desta repórter que falam sobre a forma como mulheres e crianças são tratadas me pleno século XXI e que me deixaram enojada, triste e revoltada 🙁

O primeiro fala sobre as condições desumanas como as crianças ciganas romenas são tratadas na Hungria onde os direitos humanos não são reconhecidos.

Podem ver aqui o documentario 

 

 

A Hungria tem mais crianças ciganas ciganas em cuidados institucionais do que qualquer outro país da UE e está a enfrentar uma crise potencial. Stacey Dooley encontra alguns dos pais, filhos e assistentes sociais na linha de frente do sistema de proteção à criança da Hungria, enquanto investiga acusações de famílias racistas de racismo institucional generalizado no sistema de cuidados húngaro.

Num cenário de crescente apoio a políticos nacionalistas e de extrema direita entre os húngaros, Stacey questiona se há uma necessidade real de proteger as crianças ciganas ou se o preconceito está impulsionando a tendência crescente de tirar as crianças ciganas de suas famílias.

Visitando algumas das comunidades mais pobres da Hungria, Stacey conhece as famílias ciganas que são ameaçadas de remoção de filhos e as que perderam seus filhos recentemente, além de passar tempo com os assistentes sociais encarregados de tomar a decisão de remover as crianças consideradas em risco.

Stacey encontra-se com funcionários e adolescentes residentes nas casas das crianças da Hungria, onde muitas vezes mais de 70% dos moradores são ciganos ciganos. Stacey descobre que muitas dessas casas estão longe de ser um refúgio das famílias caóticas das quais as crianças foram tiradas, mas diz-se que muitas delas estão repletas de uso de drogas, prostituição, violência física e sexual, e os trabalhadores se sentem impotentes para intervir. Fora das casas, ela confronta os proxenetas que estão explorando as crianças mais vulneráveis ​​da Hungria, apenas para descobrir que muitos deles são ciganos.

Apanhados entre a hostilidade anti-cigana em suas comunidades, as demandas dos serviços de proteção à criança, e crescendo em famílias em dificuldades que muitas vezes têm problemas sociais, Stacey explora se há alguma esperança para os ciganos ciganos da Hungria em tratamento.

E o segundo vai de encontro ao primeiro mas desta vez fala sobre os maus tratos a que as mulheres russas são submetidas e  não podem fazer nada porque nem a lei esta do lado delas, acreditam?

Podem ver aqui o documentario

 

Chego a conclusão que nestas zonas ser mulher ou criança não vale nada…

Ja conheciam esta jornalista? Podem segui-la no twitter e no instagram

 

About Matilde Ferreira