Category Archives: History

Currently Reading

Em pleno Século XXI ja não deveria ser necessário ir buscar estes grandes exemplos ao passado, mas os valores da humanidade andam tao em baixo e tao virados ao contrario que dei por mim a ler a historia de Harriet Tubman, A Journey to Freedom de Sandra A. Agard. Harriet foi uma escrava que lutou pela sua liberdade, e conseguiu. Tenho lido este livro ao Lu e ele tem adorado, fica encantado como se percebesse mesmo o sentido das palavras. Este livro está escrito de uma forma muito simples e cativante.

Por incrível que pareça o tema da escravatura da História de Portugal e Mundial foi a parte que mais me chocou por todos os acontecimentos neles envolvidos. E só de pensar que actualmente existem pessoas com os mesmo ideais, como é o caso das extremas direitas, isso repugna-me muito mesmo…

Imagem da minha autoria

Este livro foi-me sugerido pela minha escritora preferida, Dorothy Koomson.

About Matilde Ferreira

O fantasma dos cogumelos| Storyteller dices

Andava eu perdida pela floresta, numa noite escura de trovoada, quando me deparei com uns olhos a brilhar no escuro, tremi, não sei se de medo ou de frio, mas o que é certo é que em vez de recuar, avancei. Deixei-me levar pela minha super-força interior e quando cheguei perto dos olhos, ouvi um miau. Era um gato preto, muito dócil, que desapareceu de repente. voltou a aparecer como por artes magicas, rondou-me, eu fiz-lhe festinhas e com a cauda fez com que eu o seguisse até a um sitio cheio de cogumelos mágicos. Eu estava tao cheia de fome que nao pensei duas vezes e comi um. Comecei logo a sentir-me maldisposta e a ter convulsões, ate cair para o lado. Os cogumelos não só eram alucinogénicos como eram venenosos. Voltei a mim, acordada pelas lambidelas do gato em cima de mim. Foi aí que reparei que ele era leve demais e as lambidelas não eram reais. O gato preto era um fantasma, por isso desaparecia e aparecia como por magia. Levantei-me com muito custo e segui o gato que me levou ate ao outro lado do arco-íris onde existia um castelo abandonado onde estava o antídoto dos cogumelos venenosos…

De repente, acordei com o meu filhote a dar-me beijinhos e um xi apertado 🙂

Imagem da minha autoria

I was lost in the woods on a dark night of thunderstorms , when I saw a pair of eyes gleaming in the dark. I trembled, I don’t know whether from fear or cold , but what is certain is that instead of retreating, I advanced. I got carried away by my inner strength and when I got close, I heard a meow. It was a very docile black cat that suddenly disappeared. it reappeared as if by magic, it prowled around me, I cuddled him and he made me follow him, pointing with its tail, to a place full of magical mushrooms. I was so hungry that I did not think twice and ate one. I began to feel ill-disposed and convulsed until I fell down. The mushrooms were not only hallucinogenic as they were poisonous . I came back to myself, awake by the cat’s licking on top of me. That’s when I noticed that he was too light, and the licks were not real. I followed the cat that took me to the other side of the rainbow where there was an abandoned castle where the antidote was …

Suddenly, I woke up with my little son giving me kisses and a tight hug 🙂

About Matilde Ferreira

A special place

Imagem da minha autoria – Ponte Pulteney – Rio Avon
Imagem da minha autoria _ Bath Abbey

No primeiro fim de semana de Maio, que foi prolongado, decidimos ir conhecer um lugar muito especial aqui da ilha. Chegamos la, foi como se estivéssemos na nossa Amarante, que tanto nos diz. 🙂 Ja andávamos à algum tempo para ir a Bath a terra dos famosos banhos romanos. Ficamos encantados, e fizemos a promessa de voltar.

A cidade é um encanto, desde a sua catedral, ate ao rio com uma paisagem de cortar a respiração. Por todo o lado se ouvia artistas de rua a espalhar a sua musica.

Imagem da minha autoria – artistas de rua
Imagem da minha autoria – artista de rua
Imagem da minha autoria – Bath Abbey

Da próxima vez temos mesmo de ir ao museu da famosa escritora Jane Austen.

Imagem da minha autoria – Museu de Jane Austen

Conseguem adivinhar qual dos dois manequins é humano?
Imagem da minha autoria

Pelo caminho ainda encontramos por uma bonita fonte, chamada Hand Fountain, meio escondida, numa das ruelas da cidade, e deparam-nos com as “mãos” de pessoas famosas, entre as quais as de Joan Collins

Imagem da minha autoria – Hand Fountain
Imagem da minha autoria – Hand Fountain

E não podíamos vir embora sem trazer o presente perfeito desta cidade, uma caixa dos famosos chocolates Charlotte Brunswick

Imagem da minha autoria – estatua de Charlotte Brunswick em frente à loja de chocolates com o mesmo nome
Imagem da minha autoria

Uma curiosidade, esta loja fica em frente a uma praça com uma arvore lindissinha chamada Sycamore Tree na conhecida Three Abbey Green.

Imagem da minha autoria

Sabiam que existe um cafe no interior desta ponte? 🙂

Imagem da minha autoria – Pulteney Bridge

E sem querer ainda nos cruzamos com uma das equipas de rugby deste jogo 🙂

Imagem da minha autoria – jogo de rugby

E aquele momento… em que não lês os sinais de que para entrar neste jardim tens de pagar mas mesmo assim perguntas ao senhor se podes tirar esta fotografia? 😀 😛 Ai, Tily, como tu andas 😀

Imagem da minha autoria – Parade Gardens
Imagem da minha autoria – Parade Gardens

A cidade tem tanto para ver e descobrir que ficamos com vontade de voltar outra vez.

Ja tinham ouvido falar desta cidade “romana” aqui em Inglaterra? 🙂

About Matilde Ferreira

45 Anos de Liberdade

Imagem retirada do Google

Ja por aqui falei que o 25 de Abril é das minhas partes preferidas da Historia de Portugal, por todo o seu significado. Se eu tivesse vivido este momento tinha sentido muito orgulho, como a minha mãe sentiu, pelo que ela me conta. Não imagino o que seria viver com medo. Com medo de dizer o que se pensa sem correr o risco de censura e ate mesmo de ser preso. Se hoje estou aqui a escrever no blog é graças a Salgueiro Maia e aos seus militares. É graças a nomes com Otelo Saraiva de Carvalho entre outros. É porque tenho liberdade de expressão para o fazer. Mas sempre com respeito pela opinião dos outros.

Imagem retirada do Google

Do 25 de Abril só lamento a falta de organização politica e a sede de poder dos principais políticos intervenientes… Tenho pena que desde então o poder tenha ficado sempre nas Maos dos mesmos que levaram o país a um mar de corrupção que quase o levou à bancarrota. Tenho pena que a maioria dos jovens não saiba dar o valor ao que o 25 de Abril nos deu…

Ja viram o filme Capitães de Abril? Esta é a minha cena preferida. Somos Portugueses, nao precisamos de derramar sangue quando sabemos usar do dialogo e do bom senso.

Fiquem com o celebre debate entre Soares e Cunhal que durou 3 horas e 40 minutos…e foi assim que tudo começou nos meandros da politica portuguesa do pós-25 de Abril. Quem se lembra do celebre “olhe que não, olhe que não” do líder do PCP?

Deixo-vos com as musicas que serviram de palavra-passe para o arranque da Revolução dos Cravos: E Depois do Adeus e Grandola Vila Morena

Viva Portugal! Viva a Liberdade! Viva o 25 de Abril!

About Matilde Ferreira

Notre Dame…

Imagem retirada do Google

Estive em Paris há 25 anos. Vi esta obra-prima por fora, dentro de um bateau-mouche. Fiquei maravilhada e não foi para menos. Notre-Dame foi construída no século XII em estilo gótico. Um dos meus estilos arquitetônicos preferidos. Os seus vitrais são únicos e cheios de Historia e magia. Notre-Dame inspirou Victor Hugo na criação do seu Corcunda.

Notre-Dame sobreviveu a duas grandes guerras. Sabiam que os seus vitrais foram retirados e enterrados para não serem destruídos durante a guerra? Sabiam que os mesmos vitrais foram por alquimistas sob o conceito de cromoterapia. Os vidraceiros nao podiam apesar a receita das cores por escrito, como era passado por palavra, esse segredo foi perdido no tempo!

Image retirada do Google
Imagem retirada do Google

Porque deixaram arder Notre-Dame?

Imagem retirada do Google – manha de 16 de Abril de 2019 – rescaldo do incêndio de Notre Dame
Notre Dame em 1994 – imagem da minha autoria

About Matilde Ferreira