Uma musica… que me relaxa!

Estou triste e revoltada… sei que falei cedo demais, mas estava confiante. Como é possível em pleno século XXI a mentalidade portuguesa ser tão retrograda, mesquinha e invejosa?

Falo de Diogo Piçarra e da sua participação no Festival da Canção. Ou melhor da sua desistência. Acreditem, agora pensando melhor, eu no lugar dele fazia o mesmo. Ele não precisa de foguetes (festivais), apenas participou pelo seu grande amor à musica. Tenho pena da pessoa ressabiada que se deu ao trabalho de procurar uma musica de 1979, ainda por cima de uma igreja, para dizer que o Diogo tinha feito plagio… a serio que não percebo qual foi a ideia. Fico frustrada por saber que existe gente assim…

E mais uma vez o Diogo mostrou aqui que é uma pessoa genuína e igual a si mesmo. Com isto so subiu ainda mais na minha consideração.

Mas depois ouço a musica e sinto-me muito melhor, mais relaxada e por isso vou ouvir esta musica as vezes que me apetecer pois para mim mesmo sem la estar ja ganhou o Eurovisão.

De costas para o mar
A tua miragem
Não há amor que dure
E tristeza que passe
Tu olhas para tudo
E não vês nada
Só o teu futuro
Na ponta da arma
Podem fazer muros
Mas não tapam a alma
Tu olhas para tudo
E não vês nada

Eu sou nada
Mas eu consigo tudo
E mesmo no escuro
Irei sempre as claras

Tu olhas para tudo
E não vês nada

E voces, nao acham estranho que uma musica que tenha conseguido 24 pontos, 12 do publico e 12 do júri, tenha sido afastada desta maneira?…

 

About Matilde Ferreira

Festival da Canção RTP 2018

Longe vão os tempos em que eu ficava acordada a ver o Festival da Canção… mas a partir do momento em que entrei na idade adulta deixei de ver. Depois da primeira fase ter decorrido na semana passada, deixo-vos esta analise deste podcast feito pela Joana Marques da Antena 3

E apesar de concordar com tudo o que foi dito no podcast de cima… dei por mim a gostar desta canção apesar dos pesares… confesso que o que mais gostei dela foi da letra 🙂

Conduzimos dias a fio

Naquela estrada perdida

E não chegamos nunca

Porque a viagem era o destino

O tempo é escasso 

Ja só temos meia vida

Se andarmos pra tras

Perdemos o que vem

E tu quem me dizes amor

De nunca parares de existir 

Assim possa viver sem pensar

Que podes um dia não estar 

Refrão:

Ha tantas coisas boas

E uma delas é estares perto 

De que servem dez Lisboas

Se me sinto no deserto… 

O dia em que entenderes o meu olhar

É o dia em que eu vou deixar de te amar

E tu que me dizes amor, de nunca parares de existir

Assim posso viver sem pensar 

Que podes um dia não estar… 

Refrão 

Parece que a RTP guardou o melhor para o fim, pois esta segunda fase que decorreu este domingo foi sem duvida cheia de surpresas das boas 🙂 pela primeira vez, se não estou em erro tivemos duas canções em inglês o que eu acho muito bem pois apesar de gostar muito da nossa língua acho que ja esta mais do que na hora de usarmos a língua universal como faz a maioria dos países intervenientes no Festival da Eurovisão 🙂

E o grande vencedor da noite foi mesmo o Diogo Piçarra, em jeito de premonição para a grande Final, o jovem cantor arrecadou 24 pontos do júri e do publico 🙂 A musica não é de todo festivaleira mas é muito bonita, simples e com um letra incrível, e so o facto de ter violinos ja me tocou a alma 🙂 Na minha humilde opinião ja ganhou a Eurovisão pois é muito melhor do que a do Salvador Sobral…

De costas para o mar
A tua miragem
Não há amor que dure
E tristeza que passe
Tu olhas para tudo
E não vês nada
Só o teu futuro
Na ponta da arma
Podem fazer muros
Mas não tapam a alma
Tu olhas para tudo
E não vês nada

Eu sou nada
Mas eu consigo tudo
E mesmo no escuro
Irei sempre as claras

Tu olhas para tudo
E não vês nada

Como disse acima fiquei muito contente por finalmente haverem duas musicas cantadas em Ingles, afinal de contas é a língua universal e trata-se de um evento a nível continental, logo faz todo o sentido fazermos como a maioria dos países participantes, e não, aqui não se trata de patriotismos 🙂

As minhas preferidas foram:

Canção n.º 3: Sequin – “All Over Again”

Canção n.º 8: Minnie & Rhayra – “Patati Patata”

Canção n.º 11: Lili – “O Voo das Cegonhas”

Canção n.º 12: Daniela Onís – “P’ra Lá do Rio”

Canção n.º 13: Peter Serrado – “Sunset”

E os finalistas são:

Canção do Fim – Diogo Piçarra – 24 pontos
O Jardim – Cláudia Pascoal – 20 pontos
Bandeira Azul – Maria Inês Paris – 12 pontos
Patati Patata – Minnie & Rhayra – 10 pontos
O Voo das Cegonhas – Lili – 10 pontos
Amor Veloz – David Pessoa – 9 pontos
Sunset – Peter Serrado – 9 pontos

E os momentos da noite para mim, que me fizeram regressar a minha infância foram o tributo ao saudoso Carlos Paião com estas 3 musicas que me dizem muito pois eu andava sempre com um microfone e o meu raio gravador a pilhas atras de mim a cantarola-las em casa dos meus avos 🙂

 

E para finalizar o Verdadeiro Artista fechou as actuações com chave de ouro 🙂

Deixo-vos com os vencedores do Festival da Canção ao longo dos anos 🙂

E voces que recordações têm do Festival da Canção da RTP? Viram as duas eliminatórias? Qual é a vossa canção preferida? 🙂

 

 

About Matilde Ferreira