Aprender ate morrer…

Com o tempo tenho aprendido, por muito difícil que o seja, a ignorar quem não traz nada de novo a minha vida. O silencio muitas das vezes é a melhor resposta. Acreditem que faz muito sentido. Não preciso de pessoas mesquinhas que não trazem nada de novo a minha vida e só sabem lamentar-se e quererem saber da minha vida. A minha mãe sempre me disse: “quem tudo quer saber não tem nada que se lhe diga”. E incrível que essas pessoas normalmente gostam de saber, mas  pouco falam delas.

Cada vez confio mais no meu instinto. Só que ainda apanho surpresas. Acho que faz parte. O que eu não posso nem devo deixar e que a negatividade de certas pessoas perturbe a minha paz interior. Isso nem pensar! Desde que a minha consciência esteja tranquila, não devo satisfações a ninguém. Quem não entendeu a primeira, azarito. Não posso nem tenho paciência para pessoas sem noção. Tenho 40 anos e um filho para criar!

About Matilde Ferreira

Ha muito tempo atras…Beda23

Conhecem aquela máxima:

Pois e, corria o ano de 1997, eu tinha o bilhete na mão para o concerto do U2 em Alvalade mas a ultima da hora desisti por causa do meu primeiro namorado que andou mais de um ano a brincar com os meus sentimentos. Sabem aquele tipo de pessoa que não sabe o que quer? E nos fazemos tudo por ela? Pois era do género. Um triste que não  sabia dar valor a que tinha. E aqui a parvinha andava iludida. Mas felizmente, acordei a tempo. Passados 5 anos, reencontrei-o no bar do costume, e mais uma vez deixei-me levar. Talvez tenha sido um sinal. Talvez eu apenas tenha querido testar-me. Naquela noite senti que ele estava ali para me salvar da confusão em que andava perdida. Mas não, foi um abrolhos. Passamos a noite juntos e de manhã acordei, depois de ter tido um pesadelo e senti nojo dele. Pedi para me levar a casa sem lhe dizer uma única palavra. Como ele sempre me tinha tratado. Não lhe disse mais nada. E nos dias seguintes ele não parava a porta de minha casa, ate a minha mae teve pena dele mas eu não. Ate que ele desistiu… Julgava eu. Segui em frente com a minha vida. Mas pelos vistos ele nao. Ha 5 anos atras, quando Rui ja ca estava em Londres, o gajo encontrou-me no facebook e voltou ao ataque. Insistente com os convites para tomar cafe, mesmo ja casado e pai de 3 filhos, so parou quando eu o bloqueei, e incrível não? E incrível como o primeiro namorado e o ultimo são tao diferentes, como da agua para o vinho, azeite e vinagre mesmo! Quem me dera que o ultimo tivesse sido o primeiro e ainda hoje estarmos juntos. Mas e com as mas experiências que aprendemos a dar o valor. Vão por mim. E podem não acreditar, mas dos 5 namorados que tive antes do Rui, todos eles voltaram a procurar-me a excepção de um que coitado ja não pensava em mais nada a não ser no vicio 🙁 Sao escolhas, e como tudo na vida. E com isto aprendi que existe um tempo para tudo, so temos e de aprender a dar o valor 😉 Será que eles aprenderam a lição? Não me parece…

About Matilde Ferreira

Os U2 e os irlandeses… Beda 4#

Sarm West Studios, London, September 2014

A propósito desta noticia do jornal britanico The Guardian, em que falam que os irlandeses odeiam o Bono Vox,  lembrei-me de uma historia que uma colega irlandesa do meu Rui lhe contou e so vem subir ainda mais a consideração que eu tenho no Paul David Hewson aka Bono Vox. Ah e este artigo vem desmentir e explicar a noticia do jornal britanico.

Certo dia a professora, que era tipo uma freira,  da amiga irlandesa do Rui encontrou um individuo a vaguear na praia vestido de roupas simples e aspecto “vagabundo”. Convidou para ir tomar um cha, ao que este aceitou educadamente. Estiveram a conversa, mais numa da professora lhe passar um sermão e missa cantada e na hora em que esta lhe ia oferecer dinheiro, o sujeito revelou-se dizendo que nao precisava pois era o Bono Vox. Este agradeceu o lanche e a simpatia, despediu-se e foi a vida dele. 

E com isto este grande senhor subiu ainda mais na minha consideração.

Moral da historia: Nunca julguem alguém pelo aspecto. 😉

 

About Matilde Ferreira