Apanhei os meus chefes em flagrante!

Corria o ano de 2008, eu estava a experiência na minha ultima empresa em Portugal. Fazia de tudo desde trabalho de escritório a serviços na rua. Certo dia depois de fazer a minha maratona aos bancos e correios na Boavista, cheguei ao escritório em Gaia, meti as chaves a fechadura como de costume mas desta vez a porta nao abriu como normalmente. Que estranho! A minha reacao foi logo tentar ligar para o meu chefe que nao atendeu… mas eu ouvia o telemóvel dele a tocar do outro lado. Ate que passados 5 eternos minutos la vem ele todo esbaforido, vermelho que nem um pimento com o pedido mais esfarrapado de sempre “Matilde vai-me ao cafe comprar qualquer coisa para eu comer pois ainda nao almocei e a tua colega teve de ir resolver uns assuntos particulares e vai chegar mais tarde(a minha colega, e supervisora) ” (isto as 4h da tarde)… Eu fiquei parva a olhar para ele com cara de “quem e que este gajo quer enganar” Fui a remoer o caminho todo e a praguejar, como e obvio! O que eles queriam era ganhar tempo… Quando voltei, a gaja ja estava sentada na secretaria dela muito vermelha, e de sorrisinho amarelo disse que o chefe queria ter uma conversa comigo. Opsss queres ver que me vai despedir? Que nada, era so para dizer que me ia passar a contrato (ainda faltava dois meses para eu fazer seis meses). Tudo isto para me calar. Pois podiam ficar descansados pois nao sou de meter na vida dos outros. Acreditam que no tempo que la trabalhei eles continuaram a manter a relacao deles em segredo? Tudo porque ele continua casado pois nao convem divorciar-se para nao dar metade de tudo a esposa. Quanto a minha ex-coleguinha na altura ainda estava casa, tendo se divorciado no final desse ano alegando que o marido a maltratava verbalmente… ja viram bem o clima de hipocrisia a que eu tinha de me sujeitar? Pois quem precisa, tem de aguentar. Voces nao imaginam o alivio que foi para mim o meu ultimo dia. Parece que me tinha saido um peso de cima dos ombros. E a minha consciência sempre esteve limpa e leve.

About Matilde Ferreira

Fui vitima de assedio sexual…

Poucas pessoas sabem disto, alias muito poucas mesmo. Durante anos tentei apagar estas memorias da minha e o que e certo e que tenho vivido bem com isto. Acreditem, que nao foi so uma vez. Em miuda o meu tio-padrinho, irmão do meu pai tentou por diversas vezes fazer-me mal… e so nao o conseguiu graças a minha mae que estava sempre atenta. A ultima vez foi a gota de agua. Parece que ainda estou a ouvir o berro que ela deu da nossa cozinha ao ver através do espelho do quarto dos meus primos o estupor a desabotoar a braguilha das calcas… Nojento, nao? Eu devia ter 12, 13 anos e estava na secretaria a ler um livro. A partir dai eu fugia dele como diabo foge da cruz. Ele morreu, salvo erro em 2007, nao fui ao funeral mas senti um alivio enorme (serei assim tao ma pessoa?). O meu pai tambem morreu sem saber disto.

Abuso sexual é definido como todo ato ou jogo sexual, relação hetero ou homossexual, cujo agressor esteja em estágio de desenvolvimento psicossexual mais adiantado que a criança ou o adolescente.

E tudo quase voltou a acontecer no meu ultimo emprego em Portugal. Digo quase, porque felizmente tenho um espirito muito forte e consegui resistir. O meu ex chefe chegou a tentar mais que uma vez assediar-me. Nos ultimos tempos eu tinha receio de ficar sozinha com ele no escritório devido a insistência dele. As investidas eram tanto verbais como quase físicas. Mais uma vez digo quase porque eu resistia. E nao fui a unica. A minha colega mais nova uma vez ficou la sozinha e chegou a sentir-se mal, tendo tido um ataque de panico com vomitos, chegando mesmo a ter de ir ao hospital. E claro que ela nao contou a ninguém o que se passou mas eu percebi os sinais todos. Ele ficou em panico também com receio q ela falasse. Incrível. Nos nao denunciamos porque e a nossa palavra contra a deles. E eles aproveitam-se de nos precisarmos do emprego. Nao e justo. Por mais que nos digam que nao podemos ter medo, falar e facil mas na hora isso nao funciona. O que me dava coragem para aguentar era pensar no meu Rui que so soube quando eu sai da empresa, felizmente, porque se ele tivesse sabido poderia ter feito alguma asneira e dava cabo da vida dele. E estes monstros nao valem a pena. Sabem o que e pior no meio disto tudo? O meu chefe fazia-se de boa pessoa, talvez fosse consciência pesada, mas eu acho que que e hipocrisia.

Tenho mais 3 situações que me aconteceram, uma em criança aos 7 anos, ia eu para a festinha de aniversario de uma amiguinha quando passo por um carro parado na fila do semáforo, e um gajo estava com a pila a mostra a massaja-la, e perguntou se eu nao queria ir passear com ele, fiquei sem reacao e corri ate casa da minha amiga; As seguintes eu ja tinha 18 anos, numa delas foi a saida da estação de comboios da Granja, ao virar a esquina estava um gajo no carro a bater uma punheta e perguntou tambem se eu queria ir dar um volta… nao me me lembro de correr tanto por uma estrada deserta com o meu coração a mil com receio que ele viesse atrás de mim, afinal de contas ele estava de carro! E por ultimo,temos mais um familiar, que tambem tentou fazer mal a minha mae… o cunhado dela, marido da irma. Fui la a casa deles a noite fazer um recado a minha mae, e ele tentou apalpar-me as mamas… levou um encontrao, que ainda hoje nao sei onde fui buscar forças!

Quando e que estes monstros vao parar? Quando e que eles vao parar de nos fazer sentir culpadas? Na mente deles nos e que os provocamos… e incrível nao?

Ate quando isto vai continuar? Basta! Enough is enough!

 

About Matilde Ferreira