O meu testemunho no Blog da Cris Loureiro

E hoje trago-vos mais um post extra mas cheio de significado. A Cris fez-me o convite e eu aceitei com muito gosto partilhar a minha historia no cantinho dela.

Passem por aquihttps://www.crisloureirowrites.com/single-post/2018/07/17/estórias-de-vidas-reais .Espero que gostem tanto quanto eu gostei de contar a minha historia à Cris. 

Estejam atentas e cuidem da vossa saude 🙂

 

About Matilde Ferreira

So dá malucos!

Estes dois casos fazem-me lembrar um período da minha vida em que os médicos me deram diagnósticos errados em relação a minha doença. Mas será que os médicos andam todos a dormir? Andamos cada vez mais doentes e se calhar os médicos também andam a ver por esta historia passada no nosso pais e esta passada ca no UK.

Sobre o primeiro caso, quem e quem e para decidir ate que idade e que podemos ter sexo? Caramba, acho que cada um sabe de si, agora ficar impossibilitada de sexo por causa de um erro médico e ainda por cima a lei não lhe dar razão, mas que raio anda esta gente a tomar?

E o segundo caso diz-me mesmo muito pois fez-me lembrar as vezes sem conta em que eu ia de manha para as urgências do Hospital/ Maternidade de Gaia cheia de dores provocadas pelos cistos nos ovários e a medica de serviço  sem fazer quaisquer exames dizia que eram cólicas e mandava para o w.c. com um clister! Incrível não? Uma pessoa se tiver de morrer, bem morre, com esta amada de incompetentes que apesar de terem um canudo parece quem não sabem nada de nada. Lembro-me que a minha primeira medica de família, aquela que me diagnosticou a Síndrome de Ovários Policísticos me deu toda a informação disponível na altura, disse-me que eu tinha de fazer exames periódicos para controlar a doença pois corria o risco de se os cistos crescessem poderiam tornar-se   malignos, ou seja cancerígenos. Isto em 1995 onde não havia tanta informação na internet como há hoje.

Não sei qual dos casos e mais grave mas o segundo caso deixa-me a pensar seriamente no que os médicos andam a fazer.

 

 

About Matilde Ferreira