Tag Archives: Ana Bacalhau

Uma musica bonita…

…que faz bem ao coração 🙂

Eu adoro a Ana Bacalhau desde os tempos dos Deolinda, vi-os duas vezes ao vivo, uma na Queima das Fitas e a outra nos Jardins da Serra do Pilar. Vibrei tanto e dancei tanto com a energia da Ana. Quanto ao Diogo, apesar de ainda não o ter visto ao vivo, é daquelas pessoas que nos transmite boas vibes com a sua musica, e eu gosto tanto de sentir isto. L:)

Se eu pudesse regressar aquele dia
E não seguir em frente como queria
Talvez vivesse sem esta vontadeSe eu tivesse tido forças para ficar
E deixasse um vazio no teu lugar
Eu talvez vivesse sem esta saudadeMas de que vale a vida se não é sentida
Mesmo que assim seja preciso
Que a dor nos vá matando devagarChoro, mas é melhor chorar o que foi feito
Se não era por aí o meu caminho
Tu foste o meu erro mais bonito
Tu foste o meu erro mais bonito
Tu foste o meu erro mais bonitoSe eu não fosse atrás de mim nos teus silêncios
Nem me perdesse dentro dos teus braços
Talvez vivesse sem este castigoLenta é esta lágrima que cai no chão
E ainda me lembra do calor das tuas mãos
Que já não me… 

Uma musica que fica no ouvido por tempos infinitos 🙂

Gostam? 😉

About Matilde Ferreira

Um dueto…

… espectacular. Eu adoro estes dois. Ja tive o prazer de os ver ao vivo. Vi Ana Bacalhau duas vezes, a primeira em 2006 na Queima das Fitas, juntamente com os Deolinda e adorei. E a segunda, em 2011, bem próximo da minha casa de Gaia, na Serra do Pilar e vibrei ainda mais. Adorei ver a Ana a rockalhar vestida com uma blusa de couro vermelho. Quanto ao Miguel Araujo tive o privilegio de o ver no espetáculo “Como desenhar Mulheres, Motas e Cavalos” juntamente com Nuno Markl, em meados de 2012. Maravilha! Tenho tantas fotos para recordar esses momentos preciosos.

Mais que uma rosa
Mais que um perfume
Dou-te uma cena de Ciúme
Faço prova aparatosa
Do meu amor por tiDe peito aberto
Cabeça ao lume
Mostro-te as minhas feridas de guerra
Gentileza que o peito descerra
Aceita o meu ciúmeÀ vista de todos por cortesia
Salta-me a tampa
Vou ao teto
Como quem cede um afeto
Em plena luz do diaCiúme que não sai do peito
É espinho que corta a direito
E queima como sal
A ferida onde fermenta todo o malPodes soltar aos quatro ventos
Podes não contar a ninguém
Mas toma conta dos meus tormentos
Como um presente de quem te quer bemGuarda esta birra de menina
Aceita a minha gentileza
Guarda com uma certeza
De haver quem te queira assim

About Matilde Ferreira