Empatia precisa-se.

Antes demais quero pedir desculpas pela minha ausência aqui no Cantinho, mas tudo tem uma razão de ser. Estou a organizar-me entre posts aqui no blog e cursos que quero tirar, ja para não falar nas restantes tarefas da vida 🙂 Tenho muito conteúdo para o blog mas tudo se vai fazendo… 😉

E para hoje trago-vos este post da Carolina Deslandes que me fez pensar bastante…

Ao contrario da Carolina, eu sempre me achei feia, pelo menos ate aos 18 anos, depois veio a Depressão que me deixou ficar fechada em casa durante quase um ano… até ao dia em que eu ouvi na tv o anuncio do leite Matinal onde diziam: “se eu não gostar de mim, quem gostará?” Aquilo funcionou com um alarme que me fez despertar para a Vida, acreditem.

Por muito difícil que seja temos de parar de ouvir os outros, como disse e bem a Carolina, e concentrarmo-nos mais em nos ouvirmos a nós mesmos. Também temos de nos por mais no lugar dos outros, sem julgamentos nem culpas. E quando isso acontecer viveremos todos muito melhor, em paz e harmonia. Até lá temos um longo caminho a percorrer… mas é necessário falar muito sobre isto.

Antes de postar ou comentar seja o que for nas redes sociais, devemos pensarem antes de o fazer porque não sabemos qual o impacto que isso vai causar nos outros. O que fizeram à Carolina quando ela esteve gravida e depois de ser mãe, não se faz, porque cada pessoa vive as coisas de forma diferente. Ninguém sabe o que a pessoa está passar, a sentir… As palavras têm muito poder quando usadas seja para o bem ou para o mal.

Durante a minha infância e adolescência ouvi coisas como “menina má“, “menina feia“, quando eu me portava mal ou então “tens de comer“, “gordura é formosura” quando eu não comia pois sempre fui um pisco… Tudo isto me fez pensar que eu era mesmo feia… mas o mais importante, o meu intimo dizia-me sempre que eu não era má e sempre fiz por não o ser. Não imaginam o mal que estas palavras podem fazer à auto-estima de uma pessoa…

Hoje gostava de dizer a minha Tily de 8 anos que ela não era feia, muito menos má e só lhe quero agradecer por ela ter sido tão corajosa e resiliente na forma de lidar com as coisas. Obrigada, minha querida menina 🙂 Não te preocupes que tudo valeu a pena.

Tal como a Carolina cheguei a uma idade em que ja nada me afecta pois só me importa viver o presente, um dia de cada vez, juntos dos meus, no nosso recato com tudo o que nos faz feliz 🙂

À nossa e à vossa 🙂 E obrigada à Carolina por me fazer pensar sobre este assunto ❤️

About Matilde Ferreira

6 thoughts on “Empatia precisa-se.

  1. Andreia Morais

    Já não basta termos de gerir as nossas inseguranças, que surgem de forma natural na nossa vida, ainda temos de gerir a maldade alheia? Não faz sentido e acho que, a esta altura do campeonato, a sociedade já deveria estar evoluída o suficiente para não julgar os outros pelo peso, pela imagem, por seguirem caminhos diferentes daqueles que acham corretos

    1. Matilde Post author

      Triste é ainda haver tanta amargura e ressentimento na humanidade em pleno século XXI e as redes sociais , que deviam ser uma mais valia, parece que so vieram piorar a situação… 🙁

  2. Vera Benavente

    Há pessoas que por mais esteticamente bonitas possam parecer, se a personalidade for má tornam-se feias.
    Há muito tempo que o que os outros pensam é um bocado indiferente.
    Não acho que sou nenhuma beleza estonteante mas convivo bem com a minha figura (ok, gostava de perder 10kg, mas isso não me tira o sono)…

Leave a Reply