Storyteller Dices D’As Gavetas| O Telefone

Tenho uma relação complicada com o telefone. Foi o meu principal material de trabalho da ultima década. Talvez por ter falado tantas horas ao telefone agora não goste de o fazer. Prefiro escrever, enviar mensagens. Pelo menos fica tudo registado. Enquanto que por voz, é tudo momentâneo. Agora que me lembro, ja nos empregos quando queria que algo ficasse provado, preferia enviar um email. Assim não existiam margens para duvidas.

Mas dou por mim a ter saudades de falar ao telefone com os clientes. E acreditem que eu adorava conversar com eles. É um sentimento contraditório, eu sei. Mas tenho muitas saudades daquelas conversas. O simples gesto de pegar no telefone e animar o dia de outras pessoas não tem preço. Sentir que animamos o dia de outras pessoas é mesmo muito bom. Mesmo que, no meu caso so estivéssemos a vender aço inox ou ligas especiais, ou a prestar informações sobre fiscalização de gêneros alimentícios. 🙂

O mais incrível é quem vivemos numa era em que é raro usar a principal função do telefone: fazer chamadas. As vezes faz bem fazermos uma chamada. A minha mãe adora que eu lhe ligue e eu adoro falar com ela. A distancia pesa. Mas estes telefonemas ajudam bastante.

As vezes, apesar de estarmos rodeados de pessoas virtualmente, o que nos precisamos mesmo é de alguém que nos ligue a perguntar se estamos bem 🙂

Um simples telefonema pode salvar uma vida, quando pensarem em alguém liguem-lhe, vocês não imaginam o quanto esse gesto pode ajudar essa pessoa 😉 Este pensamento veio de encontro à campanha Setembro Amarelo – mês da prevenção contra o suicídio.

Falar faz bem, alivia a alma! Por muito que não gostemos de falar ao telefone 😉 Eu aprendi a deitar ca para fora aos meus 20 anos depois da minha depressão e foi a melhor coisa que fiz 🙂 Nem que seja para o papel 😉 Escrever alivia tanto 🙂

Imagem da minha autoria

E vocês, gostam de falar ao telefone? 🙂

Aproveitem o dia de hoje para ligarem a quem vocês acham que precisa 😉

About Matilde Ferreira

8 thoughts on “Storyteller Dices D’As Gavetas| O Telefone

    1. Matilde Post author

      Por acaso julgava que tu so tinhas começado a trabalhar em call centers a partir de 2015, ano em que te conheci por estas bandas 😉 Sempre evitei call centers, antes de trabalhar em escritórios, trabalhei directamente com o publico como caixa e empregada de confeitaria e também tenho muitas saudades disso 🙂 trabalhar diretamente com o publico é muito enriquecedor 🙂

  1. Andreia Morais

    Quando andava na escola primária, era eu que ia atender o telefone. Porque a nossa sala ficava perto do local dele e sentiram que eu era suficientemente responsável para desempenhar essa função. E eu adorava, principalmente, quando tinha que ir dar um recado à professora da ponta oposta da escola. Hoje, dispenso bem falar por chamada. Se puder recorrer a outros meios, prefiro.
    No entanto, um telefonema pode mesmo fazer toda a diferença!

Leave a Reply